Podcast
O que esperar do mercado para hoje.
Panorama
As principais cotações no Brasil e no Mundo.

#ExploreSeusHorizontes

Top

Ações

O que são Ações?

Ações são títulos nominativos negociáveis que representam uma fração do capital social de uma empresa. Ação é um pedaço de uma empresa e você, ao adquirir ações, passa a ser também sócio da empresa – um acionista.

As ações podem ser:

 

– Ordinárias (ON), que concedem ao acionista o poder de voto nas assembleias deliberativas da companhia; ou

– Preferenciais (PN), que oferecem preferência na distribuição de lucros ou no reembolso do capital em caso de falência da companhia, mas não concede o direito de voto.

As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas. As ações também podem ser diferenciadas por classes: A, B, C ou alguma outra letra que apareça após o “ON” ou o “PN”. As características de cada classe são estabelecidas pela empresa emissora da ação, em seu estatuto social. Essas diferenças variam de empresa para empresa, portanto, não é possível fazer uma definição geral das classes de ações.

  • Risco
  • Preços
  • Resgate
  • Imposto
Alto
Ações são ativos de renda variável, ou seja, não oferecem ao investidor uma rentabilidade garantida, previamente conhecida. Por não oferecer uma garantia de retorno, este é um investimento considerado de risco. A rentabilidade dos investidores é composta de dividendos ou participação nos resultados e benefícios concedidos pela empresa emissora, além do eventual ganho de capital advindo da venda da ação no mercado secundário (Bolsa de Valores). O retorno do investimento dependerá de uma série de fatores, tais como desempenho da empresa, comportamento da economia brasileira e internacional etc. Por esse motivo, é aconselhável que o investidor não dependa do recurso aplicado em ações para gastos imediatos e que tenha um horizonte de investimento de médio e longo prazos, quando eventuais desvalorizações das ações poderão ser revertidas.

Para saber mais sobre riscos, clique aqui.

Para saber mais sobre os custos operacionais, clique aqui.

2 dias úteis
A liquidação financeira das operações com ações ocorre três dias (D+2) após a data da operação.
I.R. de 15% a 20%

Operação Normal: 15%
Operação Day Trade: 20%

 

Obs: Há isenção de Imposto de Renda para vendas que não ultrapassem o valor total de R$ 20.000,00 no mês. Caso o investidor venda R$ 19.900,00 de uma determinada ação e também R$ 1.000,00 de uma outra ação no mesmo mês, incidirá IR normalmente sobre as duas operações já que ultrapassa o valor limite.

Como ganhar dinheiro com ações?

Existem várias formas de se ganhar dinheiro com ações. A mais conhecida e óbvia é através do Trading, que consiste na tentativa de comprar barato e vender mais caro. Para isso, muitos investidores utilizam a Análise Fundamentalista, que analisa o potencial de crescimento de lucros da empresa no médio e longo prazo, baseado em seu desempenho e do setor que está inserido. Existe também a Análise Técnica, que estuda o comportamento dos preços de uma ação através de gráficos, tentando analisar as forças de oferta e demanda para ver se a ação deve cair ou subir de preço.

Mas existem também outras formas de ganhar dinheiro com ações e de uma maneira mais segura, que é através dos proventos. Ou seja, dos rendimentos que uma ação pode proporcionar ao seu acionista.

Existem alguns tipos:

Dividendos

Uma empresa deve dividir os lucros com seus acionistas. Uma das formas de dividir esses lucros é através do dividendo, que é a distribuição de parte do Lucro Líquido (LL) da empresa. Nesse caso, após a empresa pagar todos os seus impostos, inclusive IRPJ e CSLL, ela distribui parte desse lucro líquido aos seus acionistas. E por se tratar de uma renda já tributada, geralmente os dividendos são isentos de IR para evitar uma bitributação. O estatuto social de uma companhia pode estabelecer o dividendo mínimo a ser distribuído, desde que não seja inferior a 25% de seu lucro líquido ajustado, como determina a Lei das S/A. Caso não haja previsão no estatuto social, o dividendo obrigatório deve corresponder, no mínimo, à metade do lucro líquido ajustado.

Juros sob Capital Próprio (JCP)

Assim como os dividendos, o JCP também é uma distribuição dos lucros aos acionistas, mas nesse caso trata-se do lucro bruto antes dos impostos. Assim, por se tratar de uma renda ainda não tributada, ao receber Juros sob Capital Próprio o acionista deve pagar 15% de imposto de renda.

Bonificações

As bonificações são distribuídas quando uma empresa transfere a sua reserva de lucros para o capital social da empresa. Dessa forma, com o aumento do capital social, novas ações são disponibilizadas ao mercado através da bonificação aos seus acionistas. Nesse caso, o acionista simplesmente recebe novas ações. Há também a bonificação em dinheiro, em que o acionista recebe uma certa quantia direto em conta corrente ao invés de novas ações. Mas independente se a bonificação é feita em dinheiro ou em ações, não há um aumento do Patrimônio Líquido (PL) da empresa já que esse processo é apenas uma transferência de dinheiro entre contas internas do PL, portanto o valor da empresa não se altera.

Direito de Subscrição

O direito de subscrição ocorre quando uma empresa deseja aumentar o seu capital social e para isso, são emitidas novas ações. Nesse caso, existiria um aumento no Patrimônio Líquido da empresa, com aportes no seu capital social. Naturalmente, esse evento faz com que os acionistas atuais tenham suas participações diluídas na empresa, já que eles permanecem com a mesma quantidade de ações, mas passou a existir uma quantidade maior no mercado. Nesse cenário, para beneficiar e proteger os seus sócios atuais, cada acionista recebe o direito de subscrição de novas ações, ou seja, tem a oportunidade de comprar novas ações a um preço e prazo determinados. Geralmente, o direito de subscrição oferece a oportunidade de comprar ações abaixo ao preço de mercado, caso contrário não seria um benefício.  Então além de garantir a possibilidade de manter a mesma participação no capital total, esse direito pode significar ganho adicional, dependendo das condições do lançamento. Vale lembrar que esse direito pode ser vendido a terceiros no mercado e tem prazo de validade que, se excedido, o direito caducará.